ONLINE
1


 


Historia do papa joão paulo 2
Historia do papa joão paulo 2

São João Paulo II (em latimIoannes Paulus PP. II, em italianoGiovanni Paolo II, em polacoJan Paweł II, nascido Karol Józef Wojtyła18 de maiode 1920  — 2 de abril de 2005) foi o papa e líder mundial da Igreja Católica Apostólica Romana e Soberano da Cidade do Vaticano de 16 de Outubrode 1978 até a sua morte. Teve o terceiro maior pontificado documentado da história; depois dos papas São Pedro, que reinou por cerca de trinta e sete anos, e Pio IX, que reinou por trinta e um anos. Foi o único Papaeslavo e polaco até a sua morte, e o primeiro Papa não-italiano desde oneerlandês Papa Adriano VI em 1522.1

João Paulo II foi aclamado como um dos líderes mais influentes do século XX.2 Teve um papel fundamental para o fim do comunismo na Polónia e talvez em toda a Europa,3 4 5 6 bem como significante na melhora das relações da Igreja Católica com o judaísmo,7 Islã,8 9 Igreja Ortodoxa,religiões orientais e a Comunhão Anglicana.10 Apesar de ter sido criticado11por sua oposição à contracepção e a ordenação de mulheres, bem como o apoio ao Concílio Vaticano II e sua reforma das missas,12 13 também foi elogiado.1 14

Foi um dos líderes que mais viajaram na história, tendo visitado 129 países durante o seu pontificado.5 Sabia se expressar em italianofrancês,alemãoinglêsespanholportuguêsucranianorussoservo-croata,esperantogrego clássico e latim, além do polaco, sua língua materna.15Como parte de sua ênfase especial na vocação universal à santidade, beatificou 1340 pessoas e canonizou 483 santos,16 17 quantidade maior que todos os seus predecessores juntos pelos cinco séculos passados.18 1920 21 Em 2 de abril de 2005, faleceu devido a sua saúde débil e o agravamento da doença de Parkinson. Em 19 de Dezembro de 2009 João Paulo II foi proclamado "Venerável" pelo seu sucessor papal, o Papa Bento XVI.22 Foi proclamado Beato em 1 de Maio de 2011 pelo Papa Bento XVI naPraça de São Pedro no Vaticano.23 Em 27 de abril de 2014, numa cerimônia inédita presidida pelo Papa Francisco, e com a presença do Papa Emérito Bento XVI, foi declarado Santo juntamente com o Papa João XXIII; sua festa litúrgica celebrar-se-a no dia 22 de outubro.24

 

 

História pessoal

Karol Józef Wojtyła ( pronunciação polaca ajuda · ficheiro · ouvir) nasceu em Wadowice,1 12 25 26 uma pequena localidade ao sul da Polónia, a 50 quilómetros de Cracóvia;25 o mais novo dos três filhos de Karol Wojtyła, um polonês27 e de Emilia Kaczorowska, que é descrita como tendo ascendência lituana27 e, possivelmente, ucraniana.28 29 Emília morreu em 13 de abril de 1929, aos 45 anos,30 quando Karol tinha apenas 8 anos de idade.31 Sua irmã mais velha, Olga, já tinha morrido antes de seu nascimento, e ele ficou muito próximo de seu irmão Edmund, que era 14 anos mais velho e era chamado deMundek. O seu trabalho como médico eventualmente o levaria à morte por escarlatina, o que deixou Karol muito abalado.2731

Ainda garoto, Karol demonstrou interesse pelos esportes, geralmente jogando futebol na posição de goleiro.32 Durante a sua adolescência, ele travou contato com a grande comunidade judaica de Wadowice e os jogos de futebol eram disputados entre os times de judeus e católicos, com Wojtyła muitas vezes jogando ao lado dos judeus.27 32

Em meados de 1938, Karol e seu pai deixaram Wadowice e se mudaram para Cracóvia, onde ele se matriculou naUniversidade Jaguelônica. Enquanto ele se dedicava ao estudo de tópicos como filologia e diversas línguas na universidade, Karol também se prontificou como voluntário na biblioteca, além de ter sido obrigado a participar noalistamento obrigatório, servindo na chamada "Legião Acadêmica". Contudo, ele se recusou a atirar. Ele ainda participou de diversos grupos teatrais, atuando principalmente como dramaturgo.33 Foi nesta época que o seu talento para as línguas floresceu e ele aprendeu 12 línguas diferentes, nove das quais ele usaria extensivamente no futuro como papa.12

Em 1939, as forças de ocupação da Alemanha Nazista fecharam a Universidade Jaguelônica após a invasão da Polônia no início da Segunda Guerra Mundial.12 Todos os homens capazes foram obrigados a trabalhar e assim, de 1940 até 1944, Karol trabalhou em empregos tão diversos como mensageiro para um restaurante, operário numa mina de calcário e para a indústria química Solvay, tudo isso para evitar ser deportado para a Alemanha.26 33 Seu pai, um suboficial no Exército da Polônia, morreu de ataque cardíaco em 1941, deixando Karol como o último sobrevivente de seu grupo familiar imediato.2730 34 "Eu não estive presente na morte de minha mãe, nem na do meu irmão e nem na do meu pai", ele disse, refletindo sobre esta época de sua vida, quase quarenta anos depois, "Aos vinte, eu já tinha perdido todos os que amava".34

Após a morte de seu pai, ele começou a considerar seriamente a ideia do sacerdócio.35 Em outubro de 1942, ele bateu às portas do palácio arcebispal de Cracóvia e pediu para estudar.35 Logo em seguida ele começou a ter aulas no seminário clandestino comandado pelo arcebispo de CracóviaAdam Stefan Sapieha.36

Em 29 de fevereiro de 1944, Karol foi atropelado por um caminhão da Wehrmacht. O oficial alemão da Wehrmacht cuidou dele o enviou para um hospital, onde Karol passou duas semanas se recuperando de uma concussão séria e um ferimento nos ombros. Para ele, o acidente e a sua sobrevivência foram a confirmação de sua vocação. Em 6 de agosto de 1944, o chamado "Domingo Negro",37 a Gestapo juntou os homens de Cracóvia para evitar uma rebelião similar37 à anterior,ocorrida em Varsóvia.38 39 Karol escapou se escondendo no porão da casa de um tio na rua Tyniecka, número 10, enquanto as tropas alemãs vasculhavam os andares superiores.35 38 39 Mais de oito mil homens e rapazes foram levados presos naquele dia, mas Karol conseguiu depois escapar para o palácio do arcebispo,35 37 38 onde ele permaneceria até a retirada dos alemães.27 35 40

Na noite de 17 de janeiro de 1945, os alemães fugiram da cidade e os estudantes puderam retomar o então arruinado seminário. Karol e outros seminaristas ofereceram-se para limpar pilhas de imundíces congeladas que se acumularam nas latrinas.41 Karol também ajudou uma garota judia de 14 anos chamada Edith Zierer,42 que tinha fugido de um campo de trabalho alemão em Częstochowa.42 Edith havia desmaiado na plataforma de trens e Karol a carregou e ficou com ela durante toda a viagem até Cracóvia.43 Ela afirma que Karol salvou-lhe a vida naquele dia.44 45 43 A organização judaicaB'nai B'rith afirma que Karol ajudou a proteger muitos outros judeus poloneses dos nazistas, além de ter priorizado a amizade com os judeus.46

Sacerdócio

Ao terminar os estudos no seminário de Cracóvia, Karol foi ordenado padre em 1 de novembro de 1946, Dia de Todos os Santos,30 pelo seu protetor, o arcebispo de Cracóvia Adam Sapieha.26 47 48 Ele então foi estudar Teologia em Roma, naPontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino,47 48 onde ele conseguiu a sua licenciatura e, posteriormente, o doutorado em Teologia12 (o primeiro), com a tese A Doutrina da Fé segundo São João da Cruz.49

Emilia e Karol Wojtyła, pais de São João Paulo II

Retornou para a Polônia no verão de 1948 com sua primeira tarefa pastoral na vila deNiegowić, a 24 km de Cracóvia. Chegou à vila na época da colheita e a sua primeira ação foi se ajoelhar e beijar o chão.50 Este gesto, que ele adaptou do santo francêsJean Marie Baptiste Vianney.50 tornar-se-ia sua "marca registrada" durante o seu papado.51

Em março de 1949, Karol foi transferido para a paróquia de São Floriano, em Cracóvia. Ele lecionou Ética na Universidade Jaguelônica e, posteriormente, Universidade Católica de Lublin (hoje rebatizada em sua homenagem). Enquanto lecionava, juntou um grupo de aproximadamente 20 jovens à sua volta que passaram a se chamar deRodzinka, a "pequena família". Eles se encontravam para rezar, para discutir filosofia e para ajudar os cegos e os doentes. O grupo eventualmente cresceria até ter aproximadamente 200 pessoas e suas atividades se expandiram para incluir viagens anuais para esquiar e para andar de caiaque.16

Em 1954 Karol Wojtyła obteve o seu segundo doutorado, em Filosofia,52 com uma tese avaliando a viabilidade de uma ética católica baseada no sistema ético dofenomenologista Max Scheler. Porém, a intervenção das autoridades comunistas impediu que ele recebesse o grau até 1957.48

Durante este período, Wojtyła escreveu uma série de artigos no jornal católico de Cracóvia, Tygodnik Powszechny("Semanal Universal"), que tratava com os assuntos importantes na época para a Igreja.53 Ele se focou em criar uma obra literária original durante os primeiros doze anos do sacerdócio. A guerra, a vida sob o comunismo e suas responsabilidades pastorais foram inspiração para as suas peças e sua poesia. Karol publicou trabalhos se utilizando de dois pseudônimos -Andrzej Jawień e Stanisław Andrzej Gruda33 53 54 - para distinguir sua literatura de suas obras religiosas (que eram publicadas sob seu nome) e também para que elas fossem consideradas por seus próprios méritos.33 53 54 Em 1960, Karol publicou o influente livro teológico Amor e Responsabilidade, uma defesa dos ensinamentos tradicionais da Igreja sobre o casamento a partir de um ponto de vista filosófico novo.33 55

Bispo e cardeal

Papa João Paulo I com o então cardeal Karol Wojtyla no Vaticano em 4 de setembro de 1978.

Em 4 de julho de 1958,48 enquanto Karol estava em férias, andando de caiaque nos lagos da região norte da Polônia, o papa Pio XII o elevou à posição de bispo-auxiliar de Cracóvia. Ele foi então convocado a Varsóvia para se encontrar com o primaz da Polônia, o cardeal Wyszyński, que o informou de sua nova função.56 57 Ele concordou em servir como bispo auxiliar junto ao arcebispo Eugeniusz Baziak e ele foi ordenado ao episcopado (como bispo titular de Ombi) em 28 de setembro de 1958. O arcebispo Baziak foi o principal consagrador. Os então bispos auxiliares Boleslaw Kominek (futuro cardeal-arcebispo deWroclaw) e Franciszek Jop (futuro bispo de Opole) foram os principais co-consagradores.48Com a idade de 38 anos, Karol se tornara o mais jovem bispo da Polônia. O arcebispo Bakiak viria a morrer em junho de 1962 e, em 16 de julho, Karol Wojtyła foi escolhido como vigário capitular (administrador temporário) da arquidiocese até que um novo arcebispo pudesse ser escolhido.12 26

Em outubro de 1962, Karol participou do Concílio Vaticano II (1962-1965),1 12 26 48 no qual ele contribuiu com dois dos mais importantes e históricos resultados do concílio, o "Decreto sobre a Liberdade Religiosa" (em latimDignitatis Humanae) e a "Constituição Pastoral da Igreja no Mundo Moderno" (Gaudium et Spes).48 Nesse concílio Karol já dava mostras de sua abertura para com o ecumênismo, pois recusava para a Igreja "o papel de monopolizadora da moral".58

Ele também participou de todas as reuniões do Sínodo dos Bispos.12 26 Em 13 de janeiro de 1964, o papa Paulo VI o elevou a arcebispo da Cracóvia.59 Em 26 de junho de 1967, Paulo VI anunciou a promoção do arcebispo Karol Wojtyła aoColégio de Cardeais.1 48 59 Wojtyła foi nomeado cardeal-padre do titulus de San Cesareo in Palatio.60

Em 1967, ele foi importante na formulação da encíclica Humanae Vitae, que trata das mesmas questões que impedem oaborto e o controle de natalidade por meios não-naturais.1 11 48 61 Até esse ano, 1967, Karol já tinha publicado mais de 300 ensaios em revistas e livros.58 Em 1970, de acordo com uma testemunha contemporânea, o cardeal Wojtyła foi contra a distribuição de uma carta nas redondezas de Cracóvia afirmando que o episcopado polonês estava se preparando para comemorar os cinquenta anos da Guerra Soviético-Polonesa (lembrando que a Polônia estava então sob jugo soviético).62

Eleição para o papado

O recém-eleito Papa João Paulo II na varanda.

Em agosto de 1978, após a morte de papa Paulo VI, o Cardeal Wojtyła votou noconclave papal que elegeu papa João Paulo I. João Paulo I morreu após somente 33 dias como Papa, precipitando assim um outro conclave.26 48 63

O segundo conclave de 1978 começou em 14 de outubro, dez dias após o funeral do papa João Paulo I. Foi dividido entre dois fortes candidatos ao papadoCardeal Giuseppe Siri, o conservador Arcebispo de Gênova, e o liberal Arcebispo de FlorençaCardeal Giovanni Benelli, um colaborador próximo de João Paulo I.63

Os defensores da Benelli estavam confiantes de que ele seria eleito, e no início da votação, Benelli estava com nove votos.63 Entretanto, a magnitude da oposição a ambos significava que possivelmente nenhum deles receberia os votos necessários para ser eleito, e o Cardeal Franz KönigArcebispo de Viena, individualmente sugeriu a seus colegas eleitores um candidato de compromisso: o Cardeal polonês, Karol Józef Wojtyła, que aos 58 anos foi considerado jovem pelos padrões papais.63finalmente ganhou a eleição na oitava votação no segundo dia, de acordo com a imprensa italiana, com 99 votos dos 111 eleitores participantes. Em seguida, ele escolheu o nome de João Paulo II48 63 em homenagem ao seu antecessor, e a tradicional fumaça branca informou a multidão reunida na Praça de São Pedro, que um papa havia sido escolhido.64 Ele aceitou sua eleição com essas palavras: ‘Com obediência na fé em Cristo, meu Senhor, e com confiança na Mãe de Cristo e da Igreja, apesar das grandes dificuldades, eu aceito.’65 66 Quando o novo pontífice apareceu na varanda, ele quebrou a tradição, dizendo a multidão reunida:65

Queridos irmãos e irmãs, todos estamos ainda tristes com a morte do querido papa João Paulo I. E agora os eminentíssimos Cardeais chamaram um novo Bispo de Roma. Chamaram-no de um país distante… Distante, mas sempre muito próximo pela comunhão na fé e na tradição cristã. Tive medo ao receber esta nomeação, mas o fiz com espírito de obediência a Nosso Senhor e com a confiança total na sua Mãe, a Virgem Santíssima. Não sei se posso expressar-me bem na vossa... na nossa língua italiana. Se eu cometer um erro, por favor ‘korrijam’ [sic] me...4 65

Wojtyła tornou-se o 264 º papa de acordo com a ordem cronológica lista dos Papas e o primeiro papa não-italiano em 455 anos.67 Com apenas 58 anos de idade, ele foi o mais jovem papa eleito desde Pio IX em 1846, que tinha 54 anos.48 Assim como seu antecessor imediato, João Paulo II dispensou a tradicional coroação papal e, em vez disso, recebeu a investiduraeclesiástica que simplificou a cerimônia de posse papal, em 23 de outubro de 1978. Durante a sua posse, quando os cardeais estavam a ajoelhar-se diante dele para tomar seus votos e beijar o Anel do Pescador, ele levantou-se quando o prelado polonês, Cardeal Stefan Wyszyński, ajoelhou-se, interrompeu-o e simplesmente deu-lhe um abraço.68

Brasão e lema

Brasão pontifício de João Paulo II.

O brasão de João Paulo II foi criado por Bruno Bernard Heim.69

  • Descrição: Escudo eclesiástico. Campo de azul, com uma cruz latina de jaldeadestrada acompanhada de uma letra "M" do mesmo, no cantão dextro da ponta.70O escudo está assente em tarja branca. O conjunto pousado sobre duas chaves "decussadas", a primeira de jalde e a segunda de argente,70 atadas por um cordão de goles, com os seus pingentes. Timbre: a tiara papal de argente com três coroas de jalde. Sob o escudo, um listel de blau com o mote: "TOTVS TVVS", em letras de jalde. Quando são postos suportes, estes são dois anjos de carnação, sustentando cada um, na mão livre, uma cruz trevolada tripla, de jalde.70
  • Interpretação: O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. O campo de blau representa o firmamento celeste e ainda o manto de Nossa Senhora, sendo que este esmalte significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza. A cruz é o instrumento da salvação de todos os homens e representaJesus Cristo e, sendo de jalde (ouro), simboliza: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. A letra "M" representa a Virgem Maria,71 que segundo a doutrina católica seria a principal intercessora do gênero humano, e esteve todo o tempo junto à cruz de seu Filho (Jo 19,25),72 sendo de jalde (ouro), tem o significado já descrito deste metal. Os elementos externos do brasão expressam a jurisdição suprema do papa. As duas chaves "decussadas", uma de jalde (ouro) e a outra de argente (prata)70 são símbolos de suposto poder espiritual e poder temporal. E são uma referência do poder máximo doSucessor de Pedro, relatado no Evangelho de São Mateus, que narra que Jesus Cristo disse a Pedro: "Dar-te-ei aschaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra, será desligado no céu" (Mt 16, 19). Por conseguinte, as chaves são o símbolo típico do poder supostamente dado por Cristo a São Pedro e aos seus sucessores.73 Quanto a tiara papal usada como timbre, no entanto não há certeza sobre o que as três coroas da Tiara tripla simbolizam, como é evidente, há uma multiplicidade de interpretações que têm sido propostas. Alguns a vinculam à autoridade tripla do papa como "Pastor Universal (tiara superior), Competência Eclesiástica Universal (tiara do centro) e o Poder Temporal (tiara inferior)".74 No listel o lema "TOTVS TVVS", é uma expressão da imensa confiança do papa na Virgem Maria: "Sou todo teu, Maria", sendo que ele colocou toda a sua vida sacerdotal sob a proteção da Virgem.71 75

Pontificado

João Paulo II em visita ao Parlamento Polonês a 11 de Junho de 1999.

Com mais de 26 anos, é o terceiro pontificado mais longo da História da Igreja Católica. Alguns números que se destacam são o de viagens pastorais fora daItália (mais de 100, visitando 129 países e mais de 1000 localidades), cerimónias de beatificação (147) e canonizações (51), nas quais foram proclamados 1 338 beatos e 482 santos. É considerado pelo seu carisma e habilidade para lidar com os meios de comunicação social, o Papa mais popular da História.

A primeira metade do seu pontificado ficou marcada pela luta contra ocomunismo na Polónia e restantes países da Europa de Leste e do mundo. Muitos poloneses consideram que o marco inicial da derrocada comunista foi o discurso de João Paulo II em 2 de Junho de 1979, quando falou a meio milhão de compatriotas em Varsóvia e destacou o trabalho do Solidariedade. "Sem o discurso de Wojtyla, o cenário teria sido diferente. O Solidariedade e o povo não teriam se sentido fortes e unidos para levar a luta adiante", acredita o escritor e jornalista Mieczylaw Czuma. "Foi o papa que nos disse para não ter medo." Dez anos depois, as eleições de 4 de Junho de 1989 foram uma "revolução sem sangue" e encorajaram outros países do bloco comunista a se liberar de Moscovo. A data tornou-se simbólica da fim do socialismo real. O movimento sindical Solidariedade, liderado por Lech Walesa, obteve a vitória nas primeiras eleições parcialmente livres de todo o bloco comunista.76

João Paulo II criticou fortemente a aproximação da Igreja com o marxismo nos países em desenvolvimento, e em especial aTeologia da Libertação.77

"Não é possível compreender o homem a partir de uma visão económica unilateral, e nem mesmo poderá ser definido de acordo com a divisão de classes.", disse aos bispos brasileiros em 26 de Novembro de 2002.78 Durante a sua visita aCuba, em Janeiro de 1998, que marcou o fim de 39 anos de relações tensas entre a Igreja Católica e o regime de Fidel Castro, condenou o embargo económico dos E.U.A. ao país, além de que antes de sua visita, em 1997, foi instituído oNatal, em Cuba, declarado a partir de então feriado nacional, isso aconteceu como resultado da visita papal que iria acontecer no mês seguinte. Nessa visita o Papa ressaltou a importância do respeito aos direitos humanos, a liberdade de expressão, do direito de participar de um debate público de forma igualitária, da liberdade religiosa, também, fez uma solicitação de que fossem libertados os presos políticos, ação que foi colocada em curso quando foram libertados mais de duzentos presos políticos, no mês seguinte a visita do Papa.79 Em 2003, por intermédio do cardeal Angelo Sodano, enviou uma carta ao presidente Fidel Castro criticando "as duras penas impostas a numerosos cidadãos cubanos e, também as condenações à pena de morte".80 Condenou também o terrorismo e o ataque ao World Trade Center ocorrido em 11 de Setembro de 2001, nos Estados Unidos da América.81

Diálogo inter-religioso

O papa João Paulo II viajou extensivamente e se encontrou com fiéis das mais diferentes crenças. Ele constantemente tentou encontrar afinidades, doutrinárias e dogmáticas. No Dia da Oração realizado em Assis em 27 de outubro de 1986, mais de 120 representantes de diferentes religiões e denominações cristãs passaram o dia em jejum e oração em honra ao seu(s) Deus(es).82 Posteriormente o Dia da Oração foi realizado em 1993, quando ocorria aGuerra da Bósnia.83 Em janeiro de 2002, João Paulo II novamente se reuniu em Assis no Dia da Oração, com a presença de 200 líderes religiosos, das mais diversas religiões. O papa quis reforçar sua mensagem de paz após os ataques de 11 de setembro que a religião não deve ser um motivo de conflito no século XXI.83

O papa também escreveu a encíclica Ut Unum Sint, onde aborda a importância de haver um empenho ecumênico. Essa encíclica possui três capítulos, onde o primeiro trata dos princípios fundamentais do compromisso ecumênico católico. No segundo capítulo é destacado o fruto dos diálogos entre os cristãos e menciona os bons resultados obtidos com as Igrejas Orientais. No terceiro e último capítulo é refletido quais caminhos tomar para se conseguir alcança esse objetivo ecumênico.84

Anglicanismo

O Papa João Paulo II tinha boas relações com a Igreja da Inglaterra, chamada por seu predecessor, Paulo VI, como "nossa amada Igreja Irmã". Há pontos em comum entre as duas igrejas, e por anos elas vêm tentando encontrar maneiras de serem mais unidas.85 A entronização de Wojtyła contou com a presença do arcebispo da Igreja Anglicana, Donald Coggan, que foi o primeiro Arcebispo da Cantuária a estar presente em uma cerimônia desse tipo, desde a Reforma.86 Ele discursou na Catedral de Cantuária durante a sua visita à Grã Bretanha,87 e recebeu o Arcebispo de Cantuária de forma amistosa e cortês, em 1982.87 Porém, ele se desapontou com decisão da Igreja da Inglaterra, de oferecer o sacramento das Ordens Sagradas às mulheres, e viu nisto um passo contra a reunião entre a Comunhão Anglicana e a Igreja Católica.85

Clifford Longley, um experiente comentarista religioso escreveu no The Guardian que o Papa: "Não era intolerante com as outras religiões e credos, sempre disposto a visitar dignitários anglicanos ou ortodoxos".85 João Paulo II fez históricos esforços ecumênicos com a Comunhão Anglicana, e apoiou o estabelecimento da Igreja Católica de Nossa Senhora da Expiação (Uso Anglicano), em cooperação com o Arcebispo Patrick Flores de San Antonio, Texas, nos Estados Unidos.88

Em 1980, João Paulo II emitiu uma Provisão Pastoral, permitindo que padres anglicanos convertidos casados, se tornassem sacerdotes católicos e que as antigas paróquias episcopais fossem aceitas na Igreja Católica. Ele permitiu a criação do uso anglicano no rito latino, que incorpora o Livro de Oração Comum anglicano, como resultado de uma proposta dos bispos para desenvolver termos para que ex-clérigos anglicanos e outros membros da Igreja Anglicana poderiam ser admitidos à comunhão plena na Igreja Católica, mantendo alguns elementos da sua liturgia, tradição e vida devocional.88

Quando João Paulo II visitou o Reino Unido, em 1982, ele fez a primeira visita papal desde a Reforma, ou seja, mais de 450 anos. Nessa visita o papa foi recebido por Isabel II do Reino Unido,89 que é a Governadora Suprema da Igreja de Inglaterra.90 Em 1980, a rainha já tinha feito uma visita ao Vaticano.89

Luteranismo[editar | editar código-fonte]

Em 15-19 de novembro de 1980, João Paulo II visitou a Alemanha Ocidental,91 em sua primeira visita a um país com uma grande população luterana. Em Mogúncia, ele se encontrou com líderes luteranos e de outras denominações protestantes, além de outras denominações cristãs.92

Em 11 de dezembro de 1983, ele participou de um culto ecumênico na Igreja Evangélica Luterana em Roma.93 A visita de João Paulo nessa igreja foi realizada no ano do 500° aniversário do nascimento de Martinho Lutero. Essa visita aconteceu por meio de um convite espontâneo no ano de 1982 por um membro do conselho da igreja luterana.94 Nesse encontro João Paulo II exortou o Cardeal Johannes Willebrands para continuar o diálogo ecumênico em busca da restauração da unidade cristã e ofereceu uma oração especial e bênção para este trabalho.95

Em sua peregrinação apostólica à NoruegaIslândiaFinlândiaDinamarca e Suécia entre 1 e 10 de junho de 1989,96 João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar países majoritariamente luteranos. Além de celebrar missas com fiéis católicos, ele participou de serviços ecumênicos em lugares que haviam sido igrejas católicas antes da reforma luterana, no século XVI, como a Catedral de Nidaros, na Noruega, próximo da Igreja de Santo Olavo, em Thingvellir, na Islândia, a Catedral de Turku na Finlândia, a Catedral de Roskilde, na Dinamarca e a Catedral de Uppsala, na Suécia.97

Em 31 de outubro de 1999 (o 482º aniversário do Dia da Reforma, o dia em que Lutero pregou as 95 Teses), representantes do Vaticano e da Lutheran World Federation (LWF) assinaram a Declaração Conjunta Sobre a Doutrina da Justificação como um gesto de unidade. A assinatura foi fruto do diálogo teológico que vinha ocorrendo entre a LWF e o Vaticano desde 1965.98 Cinco anos após a assinatura da declaração e ao receber os membros da Delegação Ecumênica da Finlândia o papa disse: "Nesta Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, desejo expressar minha gratidão pelo progresso ecumênico realizado entre católicos e luteranos nos cinco anos transcritos desde a assinatura da Declaração conjunta da doutrina da justificação".99

Judaísmo

As relações entre o catolicismo e o judaísmo melhoraram durante o pontificado de João Paulo II11 100 Ele falou com frequência sobre a relação da Igreja com os judeus.11

Em 1979, João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar o campo de concentração Auschwitz, na Polônia, onde muitos de seus compatriotas (majoritariamente judeus poloneses) haviam perecido durante a ocupação alemã da Polônia na Segunda Guerra Mundial. Em 1998, o papa publicou "Nós Lembramos: Uma Reflexão sobre a Shoah", que delineou seu pensamento sobre o Holocausto.101 Ele se tornou o primeiro papa a fazer uma visita papal oficial a uma sinagoga,102 quando ele visitou a Grande Sinagoga de Roma em 13 de abril de 1986.7 103 104

Em 1994, João Paulo II estabeleceu relações diplomáticas formais entre a Santa Sé e o Estado de Israel, reconhecendo sua importância central na vida e fé judaicas.7 105 Em honra a este evento, o papa João Paulo II patrocinou o "Concerto Papal para Comemoração do Holocausto". Este concerto, que foi concebido e conduzido pelo maestro norte-americano Gilbert Levine, contou com a presença de Elio Toaff, o Rabino principal de Roma, do presidente da Itália Oscar Luigi Scalfaro e de sobreviventes do Holocausto vindos do mundo inteiro.106 107

Em março de 2000, João Paulo II visitou o memorial de Yad Vashem, um monumento nacional israelense em honra às vítimas e heróis do Holocausto, e depois entrou para a história ao tocar um dos mais sagrados objetos de devoção do Judaísmo, o Muro das Lamentações100 , seguindo o costume de colocar uma carta entre as frestas de seus tijolos (na qual ele pediu perdão pelas perseguições contra os judeus)7 100 108 109 . Em parte do seu discurso, ele disse: "Eu asseguro o povo judeu que a Igreja Católica... está profundamente entristecida pelo ódio, atos de perseguição e mostras de anti-semitismo dirigidas contra os judeus pelos cristãos, à qualquer tempo, em qualquer lugar" e acrescentou que "não há palavras fortes o suficiente para deplorar a terrível tragédia do Holocausto"7 100 108 109 . O ministro israelenserabinoMichael Melchior, que foi o anfitrião do papa durante a visita, disse que estava "muito comovido" pelo gesto do papa100 108 :

Foi além da história, além da memória.

topo